8.5.13

O Quadro Empoeirado

O Quadro Empoeirado

                A menina havia chorado muito durante a tarde toda. Parecia-nos que até já estava sem forças. Possivelmente uma dor muito forte a fazia sofrer assim.
                  Isso gerava em todos nós, que ali estávamos aguardando a chegada do médico, uma certa ansiedade, e por que não dizer, um desespero na alma.
                   Num daqueles momentos em que a gente sem querer, ou instintivamente levanta a cabeça para olhar para o teto, para cima, buscando no infinito, talvez uma resposta um socorro, meus olhos pousaram num quadro afixado na parede, cheio de poeira, mas que inda me permitia ler o que nele estava escrito: “LANÇANDO SOBRE ELE TODA A VOSSA ANSIEDADE, PORQUE ELE TEM CUIDADO DE VÓS” – I a Pedro 5:7
                    Aquilo foi como um estalo em todo o meu corpo, que vibrou de maneira maravilhosa, sim, por que não confiarmos? Porque não entregarmos a ele aquela menina para que o Senhor fizesse algo de bom na vida dela.
                      Convidei a todos que olhassem para o dizer bíblico na parede e concluíssem em função do momento, o que seria mais acertado fazermos. Todos, unanimemente concordaram que o caminho seria orarmos ao Senhor e a ele entregarmos a nossa ansiedade e todo aquele problema.
                        Assim foi feito. No termino da oração, que foi mais um pedido de socorro que outra coisa, a menina começou a acalmar-se e logo passo a dormir serenamente.
                           Todos nos olhamos, e como que uma pausa de felicidade  e conforto, nos sobreveio á alma, e em cada rosto, só estava estampado um sorriso de vitória e no coração um preito de gratidão e louvor ao senhor.
                             Quando o médico chegou, pouco foi necessário fazer, pois a menina já estava sarada brincando e bem alegre, enquanto alguém, alegremente, tirava toda a poeira daquele quadro tão bonito, que no momento mais necessário, nos havia indicado o caminho da solução: O socorro bem presente.
                                                                                             
João Carlos Ribeiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário